quinta-feira, julho 22, 2010

QUEM SOMOS NÓS

Admito que há algum tempo venho me preocupando mais com os aspectos culturais de nossa cidade e nosso povo. Posso estar me referindo aos brasileiros, aos catarinenses, aos criciumenses... mas hoje é sobre a cidade de Criciúma.
É nesta cidade em que cresci, e fiz toda minha formação profissional. Mas muitas vezes percebo que pouco sabemos, e pouco se divulga sobre os principais fatos do passado do município ou do Estado de Santa Catarina em geral.

Hoje pela manhã, ao checar o "Twitter", fico sabendo sobre um projeto na câmara dos vereadores de Criciúma, que pretende instituir no município o "Dia das Tradições Gaúchas". A autora é a vereadora Romanna Remor, que já foi candidata a prefeita da cidade.

http://camara.virtualiza.net/tramite.php?id=3092

O projeto justifica a criação da data em "comemoração" ou "homenagem", à Guerra dos Farrapos, cuja história nem ao menos "passa" pelo município de Criciúma. A estranheza da proposta é óbvia, sendo ainda mais incompreensível a "mania" que nossa cidade tem em vangloriar os feitos de outros municípios ou estados, como se já não bastassem as comemorações realizadas no estado do R.S., consideradas exageradas (considerando-se o insucesso dos farrapos) até mesmo por muitos gaúchos.

Se já era difícil para eu entender exatamente o que é o "tradicionalismo gaúcho", imaginem aceitar a idéia de um dia dedicado a isto em uma cidade catarinense, cujas origens estão nos imigrantes europeus, muito mais do que na Guerra dos Farrapos, por mais que esta tenha, sim, moldado o estado de Santa Catarina (por exemplo, a recuperação da região serrana).

Tomar chimarrão é um hábito da cultura Guarani; a erva é apreciada na Argentina, Uruguai, Paraguai e todo sul do Brasil. A montaria a cavalo também não foi inventada pelos gaúchos. A música característica é apreciada quase exclusivamente naquele estado. Afinal, o que é esta tradição gaúcha, que os rio-grandenses defendem com tanto fervor? Porque se orgulham dela, fazendo parecer que isto os coloca acima (e MUITO acima) das pessoas de outros estados? Será que os gaúchos irão criar um dia para homenagear as praias catarinenses, belezas reconhecidas no mundo, que eles super-lotam na alta temporada?

Atitudes como a da vereadora Romanna(nascida em Criciúma) apagam cada vez mais a nossa identidade cultural. Vejo isto como um passo em direção ao total esquecimento da história do nosso município e do nosso estado. Àqueles que possuem qualquer ligação com o Rio Grande do Sul, ou simplesmente apreciam seu dito "tradicionalismo", sinta-se livre para comemorar ou festejar da maneira que achar adequado, mas não precisamos impor à cidade de Criciúma um "dia" para aplaudir o estado mais bairrista do país. Nosso país possui uma área territorial imensa, e uma variedade cultural maior ainda. A questão não é quem é melhor ou pior, mas sim, que cada povo, cada pequeno "país" que forma este Brasil, seja um guardião da sua história, do seu legado. Assim contribuímos para formar um povo que terá mais motivos para sentir orgulho de sua terra, de trabalhar por ela, e ali constituir a sua história de vida. Primeiro vamos cuidar na nossa cidade, incluindo o seu passado. Depois podemos nos preocupar em apreciar a diversidade cultural de nosso país.

8 comentários:

Thomas disse...

MARAVILHOSA COLOCAÇÃO MESTRE JHON!!!!! Estou fortemente contigo!!! Não precisamos de nada do pais vizinho!!!!

Glomer disse...

Ótimo post. Também concordo com o seu ponto de vista.

Pelegra disse...

Que absurdo, essa merda não pode passar. Querem foder com nossa cidade de vez.

Mário disse...

Verdade isso aí tudo.
E sem contar, uma coisa que muito me irrita, na real, é o grande número de torcedores do Inter ou Grêmio aqui no Sul de SC. Tudo bem gostar de um time por sua proximidade, mas e o Tigre? De Ararangua pra baixo ou colorados ou gremistas. Pra ajudar o Criciúma, aqui do lado deles, é difícil de mexer. Agora o Beira-Rio é logo ali. Humpf.
Aí me vem com essa de dia do gaúcho...
P.S. Bom o texto João. Lendo ate parece que o tio Thomas escreveu junto, tamanho fervor.
E dá-lhe Tigre.

Romanna disse...

Caro João,

penso que toda pessoa pública tem que saber ouvir e dar atenção ao que pensam as pessoas, inclusive às críticas. Por isso agradeço a todos que manifestaram sua contrariedade, opinião e/ou reprovação ao projeto de lei. Reconheço que realmente ficou ruim e mal concebido. Tudo que é feito com pressa perde em qualidade.

Fui procurada por um grupo de pessoas que escolheram nossa cidade para viver e que têm origem no Rio Grande do Sul. Me pediram que buscássemos, de alguma forma, lembrar da República Juliana, da história bonita e um tanto esquecida que foi escrita nestes dois Estados, Rio Grande do Sul e Santa Catarina. Esta era a idéia. Além de resgatar a história, seria uma forma de fazer com que esta grande comunidade de gaúchos criciumenses se sentisse acolhida em nossa cidade.

Vale lembrar que, como Vereadora de todos, eu represento brancos, negros, estudantes, trabalhadores, criciumenses de berço e de coração. E tenho o dever de ecoar os seus anseios. Por isso, ao ser procurada, ouvi com atenção, como faço com todos e, com pressa, devido à licença, encaminhei a demanda. No entanto, concordo com vocês. Da forma como está, o projeto ficou muito ruim. Fugiu à intenção original. Vou pedir na Câmara que segurem a tramitação e, quando eu retornar do período de licença, retirarei para reformulá-lo.

Obrigada, mais uma vez. E tenham certeza que, sempre que estiver no exercício de um cargo público, estarei aberta a receber contribuições, sejam elas críticas, elogios ou sugestões.

Abraço,

Romanna

Alex Dagostim disse...

Belíssimo texto. Espero que sensibilize a vereadora de que este projeto é um erro.

Abç!

Anônimo disse...

Nada me surpreende, faz uns 10 anos...,, Mas um(a) político(a) que possui a capacidade de admitir seu erro (ou descuido) é algo raro, exótico, espantoso...

Parabéns aos 2,,, Ao sempre nobre João por sua crítica bem elaborada, moderada, assim pró-democrática e a Sra Vereadora.

Marquinhos - R2Psiq direto de POA.

Salesio disse...

Moro em Porto Alegre a 13 anos...talvez nem volte mais em definitivo para criciuma/ SC....
precisamos nos respeitar gauchos catarinenses...só isso...cá pra nós, ganhamos a guerra do contestado e nem nos lembramos disso...eles perderam a dos farrapos e tem uma semana de comemoração.....Mas temos que respeitá-los....abraço atodos criciumenses.