sábado, junho 26, 2010


Sobre o cinema...

Já viram que este é um tema recorrente por aqui...
Hoje eu reassisti o filme Kingdom of Heaven ("Cruzada", no Brasil), e lembro que quando vi no cinema (2005), não gostei muito. Sobre o porque então, resolvi assistir tudo de novo, estou lendo um livro sobre a História do Mundo, e recentemente me interessei pela histórias das guerras religiosas, se esta é a maneira de nomeá-las.


Por que será que um filme tão recente (ou seja, tecnologia para concertirzar o inimaginável), com uma história que não poderia ser mais interessante, já que trata-se de nosso mundo, e um diretor de renome, porque estes filmes não nos impressionam mais? Não conseguem criar dentro de nós sensações similares àquelas do mundo q fica fora da sala escura; não colocam sorrisos ou lágrimas no rosto dos espectadores?

Há alguns dias assisti o filme "To Have and Have Not" (Uma Aventura na Martinícia), com Humphrey Bogart e Lauren Baccal. Este é muito parecido com o Casablanca, mas tomei como exemplo para não cair em lugar comum. O filme se passa numa quantidade pequena de cenários, ou localizações... com uma história boa sim, mas do tipo que eu poderia resumir aqui em um parágrafo. Então o que estes clássicos têm, afinal?!?!?!


Atores. Não, não Orlando Bloom(com todo respeito, pois achei que ele foi o Legolas perfeito para o Senhor dos Anéis) ou Eva Green... mas sim atores de verdade, do tipo que não se fazem mais. Atores que nos convencem que seu personagem é real, que podemos cruzar com eles em um bar ou no saguão de hotel, e com sentimentos compatíveis com os nossos. Que tomam atitudes inesperadas, com olhares tão estranhos quanto reais. Enfim, grandes atores.

Já ponderei se o cinema trata-se afinal, de diversão (seu propósito inicial), de uma tela em branco, esperando pra receber uma pintura imortal, ou de um meio informação, formação. Acho que é isto tudo junto e dependendo de cada filme que vamos ver.

Mas, enfim, com certeza o cinema "de verdade" morre um pouco, cada vez que Hollywood vende seus Avatares, lotados de tecnologia e dinheiro, e sem atores, um dos pilares do cinema.
Lauren e Bogart assistindo "Cruzada": "Querido, mude de canal, por favor

3 comentários:

Kétlin Sartor Ristau disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Kétlin Sartor Ristau disse...

Adorei o post!
Só acrescento que, além do mesmo cenário, eles utilizaram um figurino bem escasso (passam o filme inteiro usando praticamente as mesmas roupas haha). Mas quando o olhar dos dois se encontra lá longe, você percebe a química. Fora as frases de impacto (muito escassas atualmente). Sem mencionar a feminilização da figura masculina nesse gênero (e a falta de conteúdo em geral)..tsc tsc...triste.
=***s

Paula disse...

Ótima análise... ótima observação final (sim, a legenda da foto)! hehe (adoro um humor refinado.. hehe)

Temos que repartir as impressões dos filmes, primo. :)